R$80,10 no pix R$89,00 Em até 3x de R$32,68 Com JurosMais formas de pagamento 1x de R$89,00 sem juros2x de R$47,86 3x de R$32,68

Produto em estoque na Cidade de São Paulo

Pedidos confirmados até às 12:00 hrs é enviado no mesmo dia (Seg a Sex)


Cada cp contém:
Cloridrato de Metilfenidato……………10mg.
Excipientes…………………………………cs

Calcule o prazo e valor do frete deste produto

Produtos Relacionados

Descrição

A Ritalina é o nome comercial de um medicamento que contém o princípio ativo metilfenidato. É um estimulante do sistema nervoso central e é comumente utilizado no tratamento de transtornos como o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e a narcolepsia.

O que é o Metilfenidato?

O metilfenidato é uma substância psicoativa que atua no sistema nervoso central. Ele age aumentando a quantidade de certos neurotransmissores no cérebro, como a dopamina e a norepinefrina, que são importantes para a atenção, o foco e o controle dos impulsos.

Tratamentos com Ritalina

  1. Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH):
  1. Sintomas tratados: A Ritalina ajuda a melhorar a atenção, a concentração, e a reduzir comportamentos impulsivos e hiperatividade.
  2. Eficácia: Estudos mostram que a Ritalina pode ser muito eficaz em ajudar pessoas com TDAH a gerenciar seus sintomas, melhorando o desempenho acadêmico e profissional, além das relações sociais.
  3. Narcolepsia:
  1. Sintomas tratados: A Ritalina é usada para tratar a sonolência excessiva durante o dia e os ataques de sono súbito, sintomas comuns da narcolepsia.
  2. Eficácia: Ajuda a aumentar a vigilância e a reduzir a frequência dos episódios de sono incontrolável durante o dia.

Efeitos Colaterais

Como qualquer medicamento, a Ritalina pode causar efeitos colaterais. Alguns dos mais comuns incluem:

  • Insônia
  • Perda de apetite
  • Aumento da frequência cardíaca
  • Pressão arterial elevada
  • Ansiedade e nervosismo

Em casos mais raros, podem ocorrer efeitos colaterais mais graves, como problemas cardiovasculares e psiquiátricos.

Considerações e Precauções

  • Uso controlado: Devido ao potencial de abuso e dependência, a Ritalina é uma substância controlada e deve ser usada apenas sob prescrição médica.
  • Monitoramento: Pacientes que utilizam a Ritalina devem ser monitorados regularmente para avaliar a eficácia do tratamento e ajustar as doses conforme necessário.
  • Contraindicações: Pessoas com certas condições de saúde, como problemas cardíacos, glaucoma ou história de dependência de drogas, devem evitar o uso de Ritalina.

Ritalina para Aumento Desempenho e Concentração nos Estudos

O uso da Ritalina (metilfenidato) para aumentar o desempenho cognitivo e a concentração em estudos ou trabalho, embora controverso, tem sido cada vez mais discutido e praticado, especialmente em ambientes acadêmicos e profissionais de alta demanda. Este uso, muitas vezes denominado como “uso não terapêutico” ou “uso de aprimoramento cognitivo”, não é aprovado pelas agências reguladoras e levanta várias questões éticas e de saúde.

Efeitos no Desempenho Cognitivo

  1. Atenção e Concentração:
  1. Eficácia: A Ritalina pode aumentar significativamente a capacidade de atenção e a concentração, ajudando indivíduos a focarem por períodos mais longos e a completarem tarefas que exigem atenção contínua.
  2. Mecanismo de Ação: Aumenta os níveis de dopamina e norepinefrina no cérebro, neurotransmissores essenciais para o foco e a motivação.
  • Memória de Trabalho e Funções Executivas:
  1. Eficácia: Algumas pesquisas indicam que a Ritalina pode melhorar a memória de trabalho e outras funções executivas, como a organização e a capacidade de planejar.
  2. Resultados Variáveis: Os efeitos podem variar entre indivíduos, e nem todos experimentam melhorias significativas.
  • Velocidade de Processamento:
  1. Eficácia: Pode aumentar a velocidade com que uma pessoa processa informações, o que é benéfico em tarefas que requerem rapidez e eficiência.

Uso entre Estudantes e Profissionais

  1. Estudantes:
  1. Motivações: Muitos estudantes usam a Ritalina para melhorar o desempenho acadêmico, especialmente durante períodos de provas e exames, para aumentar a capacidade de estudar por longas horas e melhorar a retenção de informações.
  2. Prevalência: Estudos mostram que o uso não prescrito de Ritalina é relativamente comum entre estudantes universitários, especialmente em faculdades e cursos competitivos.
  • Profissionais:
  1. Motivações: Profissionais em carreiras de alta pressão podem usar a Ritalina para aumentar a produtividade, gerenciar múltiplas tarefas e cumprir prazos rigorosos.
  2. Prevalência: Embora menos estudado do que entre estudantes, o uso entre profissionais também está documentado, particularmente em setores como tecnologia, finanças e advocacia.

Riscos e Considerações Éticas

  1. Riscos à Saúde:
  1. Dependência e Abuso: O uso contínuo da Ritalina sem prescrição médica pode levar à dependência e ao abuso.
  2. Efeitos Colaterais: Incluem insônia, aumento da pressão arterial, ansiedade, e, em casos graves, problemas cardíacos e psiquiátricos.
  • Desigualdade e Pressão Social:
  1. Desigualdade de Acesso: Nem todos têm acesso igual a essas medicações, o que pode criar uma vantagem injusta para aqueles que usam a Ritalina para melhorar o desempenho.
  2. Pressão Social: Pode aumentar a pressão sobre estudantes e profissionais para usarem medicamentos para competir com seus pares, mesmo que não tenham uma condição médica que justifique seu uso.
  • Aspectos Legais e Éticos:
  1. Legalidade: A compra e o uso de Ritalina sem prescrição médica é ilegal e pode resultar em consequências legais.
  2. Ética: O uso de medicamentos para aprimorar o desempenho cognitivo levanta questões éticas sobre o que constitui “jogo limpo” em ambientes acadêmicos e profissionais.

Conclusão

A Ritalina (metilfenidato) é uma medicação amplamente utilizada e eficaz para o tratamento de TDAH e narcolepsia, ajudando a melhorar a qualidade de vida dos pacientes ao gerenciar sintomas como falta de atenção, hiperatividade e sonolência excessiva. No entanto, devido aos seus efeitos colaterais e potencial de abuso, deve ser administrada com cuidado e sob supervisão médica.